Notícias

Ser amigo do chefe nem sempre é um bom negócio, conheça os motivos

31/05/2012 11:48 - TAGS: ,

A máxima “Amigos, amigos, negócios à parte” é que deve ditar as regras se chefe e subordinado mantêm uma relação que extrapola a definida no ambiente profissional.
Esse tipo de situação é comum, por exemplo, quando ambos ocupavam posições semelhantes na hierarquia e um deles foi promovido a superior imediato do outro.
Essa mudança, contudo, não significa o adeus à confraternização das famílias nos churrascos de domingo ou aos frequentes “ happy hours” no bar favorito da dupla.

O que tem de ser considerado nessa nova configuração do relacionamento são estratégias para evitar que o convívio pessoal prejudique o desempenho no trabalho – e vice-versa.
A melhor alternativa, no caso, é definir os novos papeis de cada um e as regras que deverão nortear sua convivência.
Para chegar a boas soluções, as palavras-chave são maturidade e profissionalismo, considera Márcia Almström, diretora de recursos humanos da Manpower Brasil – o que se traduz em “separar bem as coisas” que competem a cada esfera da relação.

Ao chefe cabe, por exemplo, cuidar para que a amizade não comprometa a imparcialidade no tratamento dos membros da equipe. “Ele não pode incorrer em erros como valorizar mais o ponto de vista do amigo que os dos outros subordinados ou conceder a ele mais benefícios que aos demais”, ensina Almström.

 

Fonte