Notícias

Rádio-peão estraga clima das empresas; veja como frear as fofocas

27/12/2012 16:00 - TAGS: , ,

Fofoca na empresa pode mostrar que comunicação interna é falha, dizem especialistas

Um cochicho aqui, outro ali e em pouco tempo uma fofoca toma conta da empresa. É a famosa rádio-peão em ação. O problema é comum em negócios de todos os portes. Segundo especialistas ouvidos pelo UOL, a circulação de boatos pode desmotivar a equipe, baixar a produtividade, prejudicar a retenção de talentos e até mesmo ultrapassar as paredes da empresa e manchar sua imagem no mercado.

De acordo com o consultor de recursos humanos do Sebrae-SP (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) Fabiano Nagamatsu, a rádio-peão é fruto da curiosidade humana. Há duas formas para os boatos nascerem em uma empresa: má fé de um colaborador ou falha na comunicação interna.

A primeira, na maioria das vezes, pode ser resolvida com facilidade. A segunda, no entanto, mostra ao empreendedor que é preciso melhorar a estratégia de comunicação com seus funcionários.

Estabelecer um diálogo claro e objetivo com os colaboradores é um passo importante. Deixar evidente o que se espera deles, para onde a empresa vai e reconhecer acertos é uma forma de fortalecer a comunicação.

Para isso, é preciso ter atenção também à linguagem para que não haja ruídos. Um exemplo é evitar o uso de termos técnicos. A mensagem fica mais clara e compreensível para todos. “As pessoas podem não conhecer tais termos e, na ânsia de entender, interpretam e transmitem o recado de outra maneira”, diz.

Rádio-peão tem líder informal
Segundo o consultor do Sebrae-SP, a rádio-peão normalmente tem um líder informal, alguém que, por ser mais antigo na empresa ou ter mais contato com a diretoria, dispõe de certa credibilidade. Ao identificar essa pessoa, o empreendedor pode utilizá-la a seu favor, fazendo com que ela participe de reuniões sobre melhorias no ambiente de trabalho como um representante da equipe.

“O líder informal pode ser levado para perto da diretoria e incluído em reuniões nas quais possa opinar em nome dos funcionários. A ideia é torná-lo um líder formal”, afirma Nagamatsu.

A medida pode fazer com que o líder informal, antes desmotivado, sinta-se valorizado e passe a influenciar o restante da equipe. Por outro lado, não é recomendável tratar de assuntos estratégicos na presença dele, pois há possibilidade de vazamento de informação.

Mural e reuniões periódicas reduzem ruídos na comunicação
Embora para evitar fofocas seja importante ser transparente, negociações em andamento ou mudanças estruturais, por exemplo, não devem ser informadas imediatamente. Para a coordenadora de transição de carreiras da consultoria Right Management, Telma Guido, é preciso que as decisões sejam estudadas e tenham respaldo para que possam ser transmitidas aos colaboradores sem gerar insegurança.

No entanto, se o empreendedor não for rápido e claro ao transmitir informações para seus funcionários, eles começarão a elaborar as próprias teorias nos bastidores.

“Cada situação deve ser analisada pontualmente. Se a empresa muda de fornecedor porque ele aumentou o preço do seu produto, não há problema em informar os funcionários. Mas, se a troca foi motivada por questões pessoais, é melhor manter em sigilo para não virar fofoca”, diz.

A especialista recomenda que mensagens mais complexas devem ser transmitidas diretamente à equipe. Já algumas informações de rotina podem ser expostas por outros canais.

Criar um mural informativo, por exemplo, é uma maneira de comunicar a todos sobre o que acontece na empresa. O espaço é melhor aproveitado com informações corriqueiras, como ações ou programas realizados pela empresa.

Outra forma de reduzir ruídos na comunicação interna é realizar reuniões periódicas com os colaboradores para falar sobre a empresa. Podem ser encontros semanais ou mensais. O objetivo é abrir espaço para que os funcionários tirem dúvidas. “O empresário também pode responder na reunião perguntas enviadas anteriormente por e-mail”, declara Guido.

Perguntas diretas podem causar constrangimento
Segundo o diretor de operações da consultoria de recursos humanos Human Brasil, Fernando Montero, perguntar indiretamente aos colaboradores sobre o que pensam da empresa, como no caso das dúvidas por e-mail, deixa o funcionário mais à vontade para se expressar.

Montero diz que uma pergunta feita diretamente pelo chefe pode causar constrangimento ou receio de dizer a verdade. Perguntar para um colaborador o que as pessoas andam comentando nos corredores da empresa costuma trazer respostas melhores. “O empreendedor pode questionar também o que andam dizendo sobre setores específicos do negócio.”

Dicas para lidar com a rádio-peão na empresa

1 Evitar termos técnicos
A mensagem fica mais clara e compreensivel para todos. Alguns funcionários podem desconhecer tais termos e interpretá-los de forma equivocada.

2 Identificar líder informal
Normalmente, é alguém que, por ser mais antigo na empresa ou ter mais contato com a diretoria, dispõe de certa credibilidade.

3 Criar mural informativo
É uma maneira de comunicar a todos ao mesmo tempo sobre o que acontece na empresa.

4 Fazer reuniões periódicas
O objetivo é abrir espaço para que os funcionários tirem dúvidas sobre boatos que ouviram nos bastidores. Podem ser encontros mensais ou semanais.

5 Perguntar indiretamente
Uma pergunta direta feita pelo chefe pode causar constrangimento. Perguntar para um colaborador o que as pessoas andam comentando nos corredores costuma trazer respostas melhores.

 

Fonte