Notícias

Férias no trabalho, saiba como administrar o adiantamento de salário para evitar surpresas

30/07/2012 14:11 - TAGS: ,

Especialista esclarece as principais dúvidas sobre férias e como administrar o adiantamento de salário para evitar surpresas.

Por MADSON MORAES

Tirar a tão esperada féria no trabalho é algo que todo empregado sonha. Planejar uma viagem, programar um passeio com a família, visitar outro país. Ou comprar um carro novo, quitar uma dívida pendente, a lista varia. Sim, porque com o dinheiro das férias na conta acrescido de 1/3 do salário normal dá para concretizar e realizar muitas coisas. Tirar férias com a conta bancária bem gorda é maravilhoso, mas é importante administrar esse adiantamento de salário para não ter surpresas desagradáveis.

Segundo a legislação trabalhista, o funcionário que tirar 30 dias de férias tem direito a receber o salário mensal acrescido de 1/3 deste mesmo valor. Um exemplo: se a pessoa ganha R$ 1.000,00, receberá este valor mais R$ 333,33, totalizando R$ 1.333,33. Com o desconto do INSS, que é R$ 120,00, o valor será de R$ 1.213,33.

FÉRIAS NO TRABALHO: VEJA 10 DÚVIDAS RESPONDIDAS

A Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) afirma que as férias “não são opcionais” e sim “obrigatórias”, sendo de no máximo 30 dias e no mínimo 20. O empregado contratado em regime de CLT tem que tirar as férias entre 12 e 23 meses. Caso isso não ocorra nesse período, o empregador terá que pagar o dobro dos vencimentos.

Para José Roberto Stagliório, especialista em Relações Trabalhistas, é preciso conhecer um pouco das leis trabalhistas como no caso do pagamento das férias, que devem ser pagas em até dois dias antes do início do descanso. Isso ajuda a pessoa a se precaver financeiramente. O que pode acontecer também é a empresa também antecipar a 1ª parcela do 13º salário junto com as férias.

“Essas dúvidas são úteis para os funcionários que desejam entrar em férias, pois sabem agora como gastar o dinheiro na medida certa e quando retornar ao trabalho ainda ter o dinheiro no bolso” explica José Roberto.

 

Fonte